Mestrado

 

1. Disciplinas obrigatórias ( créditos, horas)

 

Áreas de concentração:

 

Tópicos de Geociências (04 horas, 60 créditos)

Ementa: Composição, estrutura e modificações naturais da Terra ao longo do Tempo Geológico. Identificação e classificação dos materiais naturais da litosfera e parte da ecosfera. Minerais, Rochas e noções de litoestratigrafia. Fósseis e noções de bio e cronoestratigrafia. Noções de Estratigrafia Moderna. Noções de geotectônica e Tectônica de Placas. Introdução aos Sistemas Estruturais (Extensões, Transcorrências e Cavalgamentos). Princípio de Evolução da Paisagem da Terra e suas origens. Aspectos Gerais, Noções de Cartografia Geológica e Paisagística.

Bibliografia:

PRESS, F.; SIEVER, R.; GROTZINGER, J. & JORDAN, T.H. 2008. Para Entender a Terra. Porto Alegre: Bookman.

WICANDER, R. & MONROE, J.S. 2009. Fundamentos de Geologia. São Paulo: CENGAGE Learning.

TEIXEIRA, W;. TOLEDO, M. C. M.; FAIRCHILD, D. R. & TAIOLI, F. 2000. Decifrando a Terra. Oficina de Textos. São Paulo.

 

Tópicos em Recursos Hídricos e Hidrogeologia  (04 horas, 60 créditos)

Ementa: Componentes e interações do ciclo hidrológico. Dinâmica de bacias hidrográficas. Características dos mananciais superficiais e sua integração aos subterrâneos. Estudo dos aqüiferos: conceituação, classificação e principais interações com os outros elementos do ciclo das águas. Equação do balanço

hídrico. Distribuição vertical da água no subsolo. Sistemas de recarga de aquíferos. Reservas e disponibilidades hídricas.

Bibliografia:

BRAGA, R & CARVALHO, P. F. 2003. Recursos Hídricos e Planejamento urbano e Regional. 1ª Ed., São Paulo: LPM-UNESP.

DRISCOLL, F.G. – 1986 – Groundwater and Wells. Johnson Division. Minnesota. 2a Ed.1073p.

FEITOSA, F. A. C. et. Al. (Coords) 2008, Hidrogeologia : Conceitos e Aplicações. 3ª Ed CPRM, 812p.

FETTER, C. W., 2000, Applied Hydrogeology, 4a Ed., Prentice Hall Inc, 598p.

FREEZE, R. A. & CHERRY, J. A. – 1979 – Groundwater. Prentice Hall, Inc. New Jersey. 604p.

HISCOCK, K. M., 2005, Hydrogeology: Principles and Practice, 1a ed., Wiley-Blackwell, 408p.

MACHADO, C. J. S. 2004. Gestão de águas doces. São Paulo: Interciência.

MAGALHÃES Jr., A. P. 2007. Indicadores Ambientais e Recursos Hídricos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

YOSHIDA, C. Y. M. 2007. Recursos Hídricos: aspectos éticos, jurídicos, econômicos e socioambiental. São Paulo: Alinea. Vol. I e II.

TUCCI. C. E. M. 2001.Hidrologia Ciência e Aplicação. Porto Alegre: ABRH – EPUSP.

 

Hidrogeologia de Meios Homogêneos e Heterogêneos (04 horas, 60 créditos)

Ementa: Movimento das águas subterrâneas: meios homogêneos e heterogêneos. Potencial hidráulico. Equação da Continuidade. Equação geral do fluxo subterrâneo e redes de fluxo. Análise estrutural geométrica e cinemática e aplicações aos problemas hidrogeológicos. Controles estruturais de circulação e de recarga em sistemas hidrogeológicos.Efeito do intemperismo sobre a permo-porosidade das rochas. Modelos de ocorrência de água subterrânea em terrenos sedimentares, cristalinos e cársticos.

Bibliografia:

CUSTÓDIO e llHAMAS M.R. Hidrologia Subterrânea. 2ª Ed. Barcelana. Omega. 1983.

FEITOSA, A. C.; MANOEL FILHO, J.; FEITOSA, E. C. & DEMÉTRIO, J. G. A. 2008. Hidrogeologia: conceitos e aplicações. 3ª Ed. Fortaleza: CPRM.

FOSSEN, H. Geolgia estrutural / Haaokon Fossen: tradução de Fábio R.D. de Andrade – São Paulo: Oficina de Textos, 2012.

PASSCHIER, C. W. & TROUW, R. A. J. 2005. Microtectonics. Second Edition. Springer.

PORTO, R. L. 2002. Técnicas quantitativas para o gerenciamento de Recursos Hídricos. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

NICOLAS. A. 1987. Principles of Rock Deformation. D. Reidel Publ. Company.

RAMSAY, J.G. & HUBER. 1983. The Techniques of Modern Structural Geology. Academic Press Inc. London.

REBOUÇAS, A.C. et. al. Aguas Doces no Brasil.3Ed. Revisada e ampliada. Escrituras. São Paulo. 2006.

SIBSON. R. H. Fault rocks and fault mechanisms. J.Geol. Soc . London. v.133, p. 191 -214. 1977.

TWISS, R.J. & MOORES, E. M. 2007. Structural Geology. Second Edition.W. H. Freeman and Company. New York.

 

Qualidade das Águas (04 horas, 60 créditos)

Ementa: Conceituação. Parâmetros químicos  das águas superficiais e subterrâneas, composição das águas superficiais e subterrâneas, componentes iônicos e sua mobilidade geoquímica que determinam a qualidade das águas superficiais e subterrâneas. Expressão das concentrações.   Transporte e contaminação dos solos e das águas.   Os fatores físicos (climáticos, geológicos, topográficos, pedológicos) que favorecem a contaminação hídrica; os processos de transmissão de poluentes por percolação no perfil de solo.  Lançamento de efluentes em corpos hídricos. Vazão de diluição. Capacidade de suporte. Adequação dos padrões de qualidade as classes de uso. Técnicas de mapeamento de plumas de contaminação. Técnicas de remediação aplicadas diferentes tipos de poluentes. Fácies hidrogeoquímicas. Processos químicos no contexto hidrogeológico. Relações entre qualidade das águas e saúde pública. Doenças de veiculação hídrica. Os principais condicionais ambientais que afetam as águas e a saúde. Aspectos de legislação. Influências do meio urbano na qualidade das águas e na saúde.

Bibliografia:

CANALI, G. V.; CORREIA, F. N.; LOBATO, F. & MACHADO, E. S. 2000.Water resources management, Brazilian and European trends and approaches. Porto Alegre: Associação Brasileira de Recursos Hídricos – ABRH.

CPRM. Hidrogeologia Conceitos e Aplicações/Coordenadores: Fernando Antônio Carneiro Feitosa, João Manoel Filho (ed.). Fortaleza: CPRM,

GURDAK, J. J. 2008. Ground-water vulnerability: nonpoint-source contamination, climate variability, and the high plains aquifer, Germany: VDM

Verlag Publishing, Saarbrucken,

GURDAK, J. J.; MCMAHON, P. B. & BRUCE, B. W. 2011, Vulnerability of groundwater quality to human activity and climate change and variability, High Plains aquifer, USA. In: TREIDEL, H.; MARTIN-BORDES, J. J. & GURDAK, J. J. Climate change effects on groundwater resources: a global synthesis of findings and recommendations, IAH – International Contributions to Hydrogeology, Taylor and Francis publishing,

ILLANGASEKARE, T. H.; MAHUTOVA, K.; BARICH III, J. J. Decision support for natural disasters and intentional threats to water security. London: Springer

MERKEL, B. J. & PLANER-FRIEDRICH, B. Groundwater Geochemistry. A practical Guide to Moddeling of natural and Contaminated Aquatic Systems. Springer, 2002.

PIVELI, R. P. & KATO, M. T. 2005. Qualidade das águas e poluição: aspectos físico-químicos. São Paulo: Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental.

ROCHA, J. C.; ROSA, A. H. & CARDOSO, A. A. 2004. Introdução à Química Ambiental. Porto Alegre: Bookman Companhia Editora.

SAETHER, O. M. & CARITAT, P. Geochemical Processes, Weathering, and Groundwater recharge in Catchments. Geological Survey of Norway. A. A. Balkema, 1997.

SILVA, D. D. & PRUSKI, F. F. 2005. Gestão de Recursos Hídricos: aspectos legais, econômicos, administrativos e sociais. Brasília: Associação

Brasileira de Recursos Hídricos.

SZIKSZAY, M.Geoquímica das Águas. Boletin IG-USP. Série didática no 5, 1993.

TODD, D. K & MAYS, L. W. -Groundwater Hydrology. John Wiley & Sons, Inc., US, 2005.

VON SPERLING, M. 2007. Wastewater characteristics, treatment and disposal. biological wastewater treatment series. London: IWA.

VON SPERLING, E. 2009. Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais.

 

Projeto e Construção de Poços Tubulares (04 horas, 60 créditos)

Ementa: Nomenclatura das partes de um poço tubular; a geofísica de poço; particularidades de um projeto de um poço tubular; definição da câmara de bombeamento,profundidade e diâmetro; definição dos filtros, extensão, ranhura e diâmetro; diâmetro de perfuração; definição do pré-filtro, granulometria e extensão, métodos de desenvolvimento; Método de perfuração a percussão; método rotativo, fluído de perfuração; método roto-pneumático, drenos, drenos radias; poços manuais.

Bibliografia:

Australian Drilling Industry, 1997, Drilling: The Manual of Methods, Applications, and Management, 4° ed. CRC Press, 624p.

GONÇALVES, V.G. & GIAMPÁ, C.E. Águas Subterrâneas e Poços Tubulares Profundos. Signus Editora Ltda. São Paulo. 2006. 502p.

FEITOSA, F. A. C. et. Al. (Coords) 2008, Hidrogeologia : Conceitos e Aplicações. 3ª Ed CPRM, 812p.

SETTI,A.A.; LIMA, J.E.F.W.; CHAVES, A.G.M. Introdução ao Gerenciamento de Recursos Hídricos .2ª ed. Brasília: Agência Nacional de Energia

Elétrica, Superintendência de Estudos e Informações Hidrológicas, 2000. 2007p.: il.;23cm

STERRETT, R.J., 2007, Growndwater and Wells, 3 ed., Smyth Co Inc, 812p

FRISCHKNECHT, R.C.; KELLER, G.V. Electrical Methods in geophysics prospecting. 2.ed. Ingalerra. Oxford Pergamon Press. 1079.517p.

KEAREY, P.; BROOKS, B. M. & HILL, I. 2002. An introduction to geophysical exploration – 3rd Ed. John Wiley & Sons, 272 p.

MENKE, W. Geophysical data analysis. Discrete inverse theory. (S.I) Ed. Academic Press. 1989. 289p.

STEENSMA, G..; KELLET, R. Short course : applications of geophysics in groundwater studies.Natal: Kpnex Internacional; Geophysics survey of

Canada. 2000.

MILSOM, J.J. & ERIKSEN, A. 2011. Field geophysics – 4th Ed. John Wiley & Sons, 304 p.

REYNOLDS, J. M. 2011 – 2nd Ed. An introduction to applied and environmental geophysics. John Wiley & Sons, 712 p.

RUBIN, Y. & HUBBARD, S. S. (Eds.) 2005. Hydrogeophysics. Springer, Water and Science Technology Library 50, 528 p. 

 

Gestão Integrada e Planejamento em Recursos Hídricos (04 horas, 60 créditos)

Ementa: Conceituação e análise dos aspectos associados à administração e gestão de recursos hídricos superficiais e subterrâneos. Direito e Administração dos recursos Hídricos. Instrumentos de Gestão de Recursos Hídricos. Política Nacional de Recursos Hídricos. Políticas Estaduais de Recursos Hídricos. Gestão social das águas.  Avaliação de oferta e demanda hídrica. Outorga de direito do uso das águas: conceito e aplicações. Integração da política de recursos hídricos com a ambiental e de saneamento. Modelos de Gestão Participativa das Águas. Geopolítica das  águas. Políticas de Ordenamento Territorial. Disponibilidade hídrica e escassez. Conflitos pelo uso das águas.  O mercado de água. Planos de Bacias Hidrográficas. Planos de Recursos Hídricos. Análise socioeconômica em sistemas hídricos. Avaliação ambiental estratégica de sistemas hídricos.

Bibliografia:

CANALI, G. V.; CORREIA, F. N.; LOBATO, F. & MACHADO, E. S. 2000.Water resources management,  Brazilian and European trends and approaches. Porto Alegre: Associação Brasileira de Recursos Hídricos – ABRH.

FELICIDADE, N.; MARTINS, R. C. & LEME, A. A. 2004. Uso e gestão dos recursos hídricos no Brasil. São Paulo: RIMA.

GRANZIERA, M. L. M. 2003. Direito de águas: disciplina jurídica das águas doces. São Paulo: Atlas.

HARTMANN, P. 2010. A cobrança pelo uso da água como instrumento econômico na política ambiental: estudo comparativo e avaliação econômica dos modelos de cobrança pelo uso da água bruta propostos e implementados no Brasil. Porto Alegre: AEBA.

LOUCKS, D. P. & VAN BEEK, E. 2005. Water resources systems planning and management - an introduction to methods, models and applications. UNESCO Publishing.

MACHADO, C. J. S. 2004. Gestão de águas doces. São Paulo: Interciência.

MAGALHÃES Jr., A. P. 2007. Indicadores Ambientais e Recursos Hídricos. 1ª Ed.,São Paulo: Bertrand Brasil.

MANCUSO, P. C. S. 2003. Reuso de água. São Paulo: Universidade do Estado de São Paulo.

MARTINS, R. C.; VALENCIO, N. F. L. S. 2003. Uso e Gestão dos Recursos Hídricos no Brasil, Volume II, Desafios Teóricos e Políticos-Institucionais. São Carlos: RiMa.

POMPEU, C. T. 2006. Direito de Águas no Brasil. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais.

RICHTER, C. A. 2009. Água: Métodos e Tecnologia de Tratamento. São Paulo: Editora Blucher.

Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental. 2010. Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento: diagnóstico dos serviços de água e esgotos 2008. Brasília: MCIDADES.SNSA.

SETTI, A. A.; LIMA, J. E. F. W.; CHAVES, A. G. M. & PEREIRA, I. C. 2001. Introdução ao gerenciamento de recursos hídricos. Brasília: Agência.

  

Hidrologia Quantitativa: medições e controles de enchentes (04 horas, 60 créditos)

Ementa: Procedimentos para medidas de vazão de rios. Curva-chave e regime hidrológico dos rios. Interpretação de dados fluviométricos. Fatores que determinam e controlam as enchentes nos elementos hidrográficos. Estimativa de vazões de enchentes (métodos: empíricos, estatísticos e através da PMP). Medidas e interações entre precipitações pluviométricas, evaporação, infiltração e escoamento superficial.

Bibliografia:

NAGHETTINI, M. & PINTO, E. J. A. 2007. Hidrologia Estatística. Rio de Janeiro: CPRM.

PAIVA, J. B. D. & PAIVA, E. M. D. 2003. Hidrologia aplicada à gestão de pequenas bacias hidrográficas. Porto Alegre: Associação Brasileira de Recursos Hídricos.

VIEIRA, V. P. P. B. 2005. Análise de Risco em Recursos Hídricos. Porto Alegre: Associação Brasileira de Recursos Hídricos – ABRH.

TUCCI, C. E. M. 2007. Inundações Urbana. Porto Alegre: Associação Brasileira de Recursos Hídricos – ABRH.

  

Manejo e obras hídricas em Bacias Hidrográficas (04 horas, 60 créditos)

Ementa: Instrumentos de gestão e manejo das águas em bacias hidrográficas. Técnicas de diagnóstico de bacias hidrográficas. Hidrologia Geral. Escoamento superficial em rios e canais. Funções Hidrológicas e Noções de Hidrometria. Técnicas de manejo visando o uso múltiplo das águas. Redes de monitoramento hidrológico. Elementos componentes de um projeto executivo de obras hídricas. Sistema de Alocação de Água. Barragens: tipos e técnicas de construção.  Hidrovias. Dutos. Travessias. Derivação de canal. Canalização. Transposição.

Bibliografia:

BRAGA, B. 2004. Introdução à engenharia ambiental. Prentice Hall.

BROOKS, K.N.; FFOLLIOTT, P.F.; GREGERSEN, H.M. & DEBANO, L.F. 2003. Hydrology and the management of watersheds. Iowa State Press.

BRUTSAERT, W. 2005. Hydrology: an Introduction. Cambridge University Press.

HIDROS – Dimensionamento de sistemas hidroagrícolas. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa.

MANCUSO, P. C. S. 2003. Reuso de água. São Paulo: Universidade do Estado de São Paulo.

PRUSKI, F. F. 2006. Conservação de solo e água: práticas mecânicas para o controle da erosão hídrica. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa.

PRUSKI, F. F.; SILVA D. D.; TEIXEIRA, A. F.; CECÍLIO, R. A.; SILVA, J. M. A. & GRIEBELER, 

SILVA, D. D. & PRUSKI, F. F. 2005. Gestão de Recursos Hídricos: aspectos legais, econômicos, administrativos e sociais. Brasília: Associação Brasileira de Recursos Hídricos.

TUCCI, C.E.M. 2005. Modelos Hidrológicos. Porto Alegre: UFRGS.

VIEIRA, V. P. P. B. 2005. Análise de Risco em Recursos Hídricos. Porto Alegre: Associação Brasileira de Recursos Hídricos – ABRH.

 

 

2. Disciplinas Optativas

 

Tópicos de Climatologia e Ciências Ambientais (02 horas, 30 créditos)

Ementa: Definições de meteorologia, climatologia, tempo e clima. Aspectos históricos. Composição e divisão da atmosfera. Propriedades da atmosfera. Elementos de meteorologia. Conceito de estabilidade/instabilidade, massas de ar, frentes e superfícies frontais. Interações termais entre o oceano e a atmosfera. Interações entre os sistemas terrestres, atmosféricos, aquáticos, biológicos e antropológicos. Mudanças climáticas e eventos extremos.

Bibliografia:

BURROUGHS, W. J. 2002. Climate Change: a Multidisciplinary Approach. John Wiley & Sons.

BOTKIN, D. B. & KELLER, E. A. 2004. Environmental Science: Earth as a Living Planet. John Wiley & Sons.

HOUGHTON, J. T. 2002. Global Warming: the complete briefing. John Wiley & Sons.

LIBES, S. M. 2008. An introduction to marine biogeochemistry. Wiley & Sons, New York.

TUCCI, C. E. M. & BRAGA, B. 2003. Clima e recursos Hídricos no Brasil. Porto Alegre: Associação Brasileira de Recursos Hídricos – ABRH.

 

Hidrogeologia Quantitativa (04 horas, 60 créditos)

Ementa: Métodos para interpretação e uso dos dados hidrológicos. Técnicas para a inferência das características de uma população, pelas informações contidas numa amostra de dados hidrológicos. Modelos probabilísticos. Ajustamento destes modelos. Testes de hipóteses. Transferência de informação por regressão.

Bibliografia:

SHAEFER, S. J.; THEODORE, L. 2007. Probability and Statistics Applications for Environmental Science. New York: CRC Press.

SHAW, P. J. A. 2009. Multivariate Statistics for the Environmental Sciences. England: John Willey & Sons.

STEPHENS, L. J. 2009. Estatística. Porto Alegre: Artmed.

TRIOLA, M. F. 2009. Introdução à Estatística. Rio de janeiro: Livros Técnicos e Científicos.

 

Geotecnologias Aplicadas aos Recursos Hídricos (04 horas, 60 créditos)

Ementa: Conceitos e técnicas de geotecnologias visando seu uso como ferramenta de apoio à tomada de decisões para fins de gerenciamento hidroambiental. Conceitos de Cartografia Básica e Sistemas de Informação Geográfica, Formato de Dados Espaciais, Entrada de Dados. Funções dos SIGs. Mapeamento e análise ambiental. Sensoriamento remoto: princípios, tipos de sensores e aplicações Plataforma de coleta de dados: categorias e aplicações na hidrologia, hidrometeorológia e hidrogeologia. Aplicação de modelos hidrológicos, hidrometeorológicos e hidrogeológicos aos Sistemas de Informação dos Recursos Hídricos. Métodos computacionais em Recursos Hidricos.

Bibliografia:

BLASCHKE, T. & KUX, H. 2005. Sensoriamento Remoto e SIG: novos sistemas sensores: métodos inovadores. São Paulo: Oficina de Textos.

FLORENZANO, T. G. Imagens de satélite para estudos ambientais. São Paulo. Oficina de Textos, 2002. 97p.

JENSEN, J. R. 2009. Introductory Digital Image Processing: A Remote Sensing Perspective. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall.

MAGALHÃES Jr., A. P. 2007. Indicadores Ambientais e Recursos Hídricos. 1ª Ed.,Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

NOVO, E. M. L. M. 2008. Sensoriamento Remoto: Princípios e Aplicações Richards, J.A. Remote Sensing Digital ImageAnalysis. An Introduction

Springer-VerlagBerlin Heidelberg.

 

Técnicas Aplicadas à locação de obras de captação de águas  subterrâneas (04 horas, 60 créditos)

Ementa: Tipos de técnicas e procedimentos metodológicos para a definição de áreas mais favoráveis à ocorrência de águas subterrâneas: métodos geofísicos de superfície: mapeamento de aquíferos e da interface água doce/salgada; relação entre características hidráulicas e medidas, detecção de contaminação de aquíferos; isotópicos e de sensoriamento remoto. Interpretação de dados provenientes da aplicação isolada ou integrada desses métodos. Banco de dados e SIG na pesquisa e exploração de águas subterrâneas.

Bibliografia:

ANNAN, A.P. Ground penetrating radar workshop notes.Sensor software Inc. 1992.

CPRM. Hidrogeologia Conceitos e Aplicações/Coordenadores: Fernando Antônio Carneiro Feitosa, João Manoel Filho (ed.). Fortaleza: CPRM,

LABHIDUFPE, 2008. 812p.

FRISCHKNECHT, R.C.; KELLER, G.V. Electrical Methods in geophysics prospecting. 2.ed. Ingalerra. Oxford Pergamon Press. 1079.517p.

KEAREY, P.; BROOKS, B. M. & HILL, I. 2002. An introduction to geophysical exploration – 3rd Ed. John Wiley & Sons, 272 p.

MENKE, W. Geophysical data analysis. Discrete inverse theory. (S.I) Ed. Academic Press. 1989. 289p.

STEENSMA, G..; KELLET, R. Short course : applications of geophysics in groundwater studies.Natal: Kpnex Internacional; Geophysics survey of Canada. 2000.

MILSOM, J.J. & ERIKSEN, A. 2011. Field geophysics – 4th Ed. John Wiley & Sons, 304 p.

REYNOLDS, J. M. 2011 – 2nd Ed. An introduction to applied and environmental geophysics. John Wiley & Sons, 712 p.

RUBIN, Y. & HUBBARD, S. S. (Eds.) 2005. Hydrogeophysics. Springer, Water and Science Technology Library 50, 528 p.

WALTON, W.C. Groundwater resource evaluation. Tóquio. McGraw-Hill Kogakusha, 1970. 664p.

 

Cartografia Hidrogeológica (04 horas, 60 créditos)

Ementa: Elementos de cartografia geológica. Análise estrutural geométrica e cinemática e aplicações aos problemas hidrogeológicos. Controles estruturais de circulação e de recarga em sistemas hidrogeológicos. Interpretação de perfis hidrogeológicos e geração de cartografia. Elaboração de mapas digitais. Escalas e elementos dos mapas hidrogeológicos. Tipos de mapas. Interpretação cartográfica. Cartografia da distribuição das águas subterrâneas no Brasil e no mundo.

Bibliografia:

ARAÚJO, Paulo Pontes, Mapa hidrogeológico do Pará, escala 1:2.500.000. Belém: CPRM, 1976. 40p.

ANON. International legend for hydrogeological maps. London: UNESCO; IAHS; Inst. Geol. Sci. 1970. 101 p.

ANON. International legend for hydrogeological maps. Paris: UNESCO, 1983.51 p. (UNESCO Technical Document, SC-84/WS/7)

BRASIL. Departamento Nacional da Produção Mineral. Mapa Hidrogeológico do Brasil 1:5.000.000. Brasília: DNPM; CPRM, 1983.

ENGELEN, G.B.; JONES, G.F. Developments in the analysis of groundwater flow systems. São Paulo: IAHS, 1986. 356 p.

MENTE,A. 1997. Cartografia hidrogeológica - classificação e utilização de mapas hidrogeológicos. Hidrogeologia - Conceitos e Aplicações. Fortaleza, 1997. CPRM, cap. 8, p. 175-182.

NICOLAS. A. 1987. Principles of Rock Deformation. D. Reidel Publ. Company.

PASSCHIER, C. W. & TROUW, R. A. J. 2005. Microtectonics. Second Edition. Springer.

RAMSAY, J.G. & HUBER. 1983. The Techniques of Modern Structural Geology. Academic Press Inc. London.

SIBSON. R. H. Fault rocks and fault mechanisms. J.Geol. Soc . London. v.133, p. 191 -214. 1977.

STRUCKMEIER, W.F. & MARGAT, J. 1995. Hydrogeological maps: a guide and a standard legend. Hannover, 1995. IAH/IAHS/IHP, v.17.

TWISS, R.J. & MOORES, E. M. 2007. Structural Geology. Second Edition.W. H. Freeman and Company. New York.

UNESCO. 1983. International legend for hydrogeological maps. Paris, 1983.  IAH/IAHS/UNESCO.

 

Modelos Numéricos de Fluxo e Transporte (03 horas, 45 créditos)

Ementa: Conceituação de modelos, modelos analógicos, modelo conceitual, equação diferencial do fluxo subterrâneo, métodos numéricos, diferenças finitas e elementos finitos, condições de contorno, métodos iterativos, aproximação implícita, equação diferencial do transporte de massa, difusão molecular, dispersão, softwares específicos.

Bibliografia:

Anderson, M.P. e Woessner, W.W., 1991, Applied Groundwater Modeling: Simulation and Advective Transport, Academic Press, 381p.

Bear, J. e Cheng, D.Cheng, A.H., 2010, Modeling Groundwater Flow and Contaminant Transport (Theory and Aplications of Transport in Porous Media), Springer, 856p´.

FEITOSA, F. A. C. et. Al. (Coords) 2008, Hidrogeologia : Conceitos e Aplicações. 3ª Ed CPRM, 812p.

Wang, H.F e Anderson, M.P., 1995, Indroduction to groundwater modeling: Finite Difference and Finite Element Methods, Academic Press, 237 p.

Zheng, C. e Bennett, G.D., 2002, Applied Contaminant Transport Modeling, 2 ed., Wiley-Interscience, 621p.

 

Hidráulica de Captações Subterrâneas (02horas, 30 créditos)

Ementa: Conceituação de testes de aquífero e teste de produção, Análise e interpretação de testes de aquífero: aquífero confinado, semiconfinado e livre, regime transitório e estacionário; Análise e interpretação de testes de produção, equação característica do poço, definição da vazão de produção de um poço tubular; Eficiência hidráulica de poços, Fronteiras hidráulicas – teoria das imagens.

Bibliografia:

FEITOSA, F. A. C. et. Al. (Coords) 2008, Hidrogeologia : Conceitos e Aplicações. 3ª Ed CPRM, 812p.

Batu, V., 1998, Aquifer Hydraulics: A Comprehensive Guide to Hydrogeologic Data Analysis, Wiley-interscience, 752p.

KRUSEMAN, G.P. & De RIDDER, N.A., 1990, Analysis and Evaluation of Pumping Test Data, 2a ed. Intl Inst for Land Reclamation, 377p.

 

Limnologia, Biota e Recursos Hídricos (03 horas, 45 créditos)

Ementa: Introdução à limnologia. Distinção entre fatores abióticos e bióticos. Propriedades físicas e químicas dos corpos límnicos. Distribuição da luz e do calor. Sólidos dissolvidos. Ciclo límnico dos macro e micro ambientes. Gases dissolvidos. Dinâmica do oxigênio dissolvido. Sistema bicarbonato, pH, dureza, acidez e alcalinidade das águas límnicas. Matéria orgânica dissolvida e particulada. Bacias límnicas. Origem e morfometria. Origem e natureza da biota limnica. Comunidades límnicas. Nichos ecológicos. Fluxo de energia nos ecossistemas. Ambientes lóticos e lênticos.

Bibliografia:

ALLEY, E. R. 2007. Water quality control handbook. McGraw-Hill.

BICUDO, C. E. M. & BICUDO, D. C. 2007. Amostragem em Limnologia. Editora RIMA.

BRIGANTE, J. 2003. Limnologia Fluvial. Editora RIMA.

TUNDISI, J. G. & TUNDISI, T. M. 2008. Limnologia. Editora Oficina de Textos.

  

Geomorfologia Fluvial, Costeira e Estuarina (03 horas, 45 créditos)

Ementa: Bacias hidrográficas e suas interrelações. Geomorfologia fluvial. Processos de erosão, transporte e deposição de sedimentos. Hidrossedimentologia. Evolução da paisagem de sistemas fluviais. Regiões hidrográficas e hidrogeológicas. Sistemas de drenagem. Análise da influência desses fatores sobre as vazões. Sistema costeiro. Dinâmica das marés ondas e variação do nível do mar. Características fisiográficas e compartimentação do litoral brasileiro. Erosão e progradação costeira. Sistema estuarino. Processos Físicos atuantes em estuários. Classificação dos sistemas estuarinos. Processos sedimentares nos estuários. Zoneamento e gerenciamento costeiro.

Bibliografia:

GUERRA, A. J. T. & CUNHA, S. B. 2000. Geomorfologia e Meio Ambiente. Rio de Janeiro, RJ: Bertrand do Brasil.

MIRANDA, L. B.; CASTRO, B. M.& KJERFVE, B. 2002. Principios de oceanografia fisica de estuarios. São Paulo: EDUSP.

TEIXEIRA, W., TOLEDO, M. C. M. de, FAIRCHILD, T. R. & TAIOLI, F. D. Decifrando a Terra. São Paulo, SP: Oficina de Textos, 2001.

THOMAS, D. S. G. & GOUDIE, A. 2000, The Dictionary of Physical Geography. Blackwell

 

Gestão Hídrica e Ambiental (03 horas, 45 créditos)

Ementa: Avaliação de impactos ambientais: Bases conceituais na previsão de impacto. Estudos de base e diagnóstico ambiental: meio físico, meio biótico e meio antrópico. Quadro legal e institucional brasileiro para avaliação de impactos e licenciamento ambiental. Avaliação ambiental – métodos qualitativos e quantitativos. Medidas mitigadoras dos impactos ambientais de projetos de aproveitamento de recursos hídricos. Controle corretivo e preventivo da poluição da água. Programas de acompanhamento e monitoramento dos impactos ambientais dos projetos de aproveitamento de recursos hídricos. Planos de recursos hídricos e Zoneamento Ecológico-econômico.

Bibliografia:

BRAGA, B. et al. 2002. Introdução à Engenharia Ambiental. São Paulo: Prentice Hall,

CUNHA, S.B. & GUERRA, A .J. B. T. 2002. Avaliação e perícia ambiental Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

PAIVA, J. B. D. et al. 2004. Monitoramento de bacias hidrográficas e processamento de dados - vol. 1. RIMA Editora.

SÁNCHEZ, L. E. 2006. Avaliação de Impacto Ambiental: Conceitos e Métodos. Oficina de Textos, São Paulo.

SILVA, A. M. et al. 2003. Erosão e Hidrossedimentologia em Bacias Hidrográficas. Rima

 

Planejamento e Gestão dos Sistemas de Saneamento Básico (03 horas, 45 créditos)

Ementa: Saneamento, Meio Ambiente e Saúde. Sistemas de Saneamento Básico e Recursos Hídricos. Evolução Legal e Institucional da Prestação dos serviços de abastecimento de água, de esgotamento sanitário, de resíduos sólidos e de drenagem urbana. Etapas e Atividades da Elaboração dos Planos Municipais de Saneamento Básico. Gestão operacional e sustentabilidade da prestação dos serviços de saneamento básico. 

Bibliografia:

BRASIL. Lei n. 11.445, de 5 de janeiro de 2007. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/lei/l11445.htm>. Acesso em: 29 jun. 2011.

BRASIL. Decreto n. 7.217, de 21 de junho de 2010.Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Decreto/D7217.htm >.  Acesso em: 29 jun. 2011.

DROSTE, R.L. Theory AND Practice of Water and Wastewater Treatment. New York, EUA: J. Wiley & Sons, 1997. 800 p..

METCALF & EDDY. Ingenería Sanitaria: redes de alcantarillado y bombeo de aguas residuales. Barcelona, ES: Labor, 1985. 446 p.

METCALF & EDDY. Wastewater Engineering: Treatmente, Disposal and Reuse.  Nova York, EUA: McGraw Hill, 1985. 1334 p..

MUÑOZ, A.H. Saneamiento y Alcantarillado – Vertidos Residuales.. 5 ed. Madri, ES: Ed. Colegio de Ingenieros de Caminos, Canales y Puertos, 1997. 889 p.. (Colección Seinor, n. 7)

PEREIRA, J. A. R. 2003. coordenação. Saneamento Ambiental em Áreas Urbanas. Ed. NUMA/EDUFPA. 205p

TUCCI, C.E.M; MARQUES, D.M.L.M.. Avaliação e Controle da Drenagem Urbana. Porto Alegre – RS: Ed. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2000. 558 p. 

  

Gestão da Informação Hidroenergética no Abastecimento de Água (02 horas, 30 créditos)

Ementa: Gestão da informação para o uso racional de água e de energia elétrica no sistema de abastecimento de água. Etapas do Ciclo da Informação. Bases de Informação Governamentais relacionadas com o abastecimento de água. Atributos da Informação. Avaliação e análise da Qualidade da informação. Indicadores de desempenho. Informação hidroenergética para a regulação e controle social da prestação dos serviços. 

Bibliografia:

BRASIL. Lei n. 11.445, de 5 de janeiro de 2007. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/lei/l11445.htm>. Acesso em: 29 jun. 2011.

BRASIL. Decreto n. 7.217, de 21 de junho de 2010.Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Decreto/D7217.htm >.  Acesso em: 29 jun. 2011.

CALAZANS, A.T.S. Qualidade da informação: conceitos e aplicações. TransInformação, Campinas, v. 20, n. 1, p. 29-45, jan./abr. 2008.

CONDURÚ, M. Ciclo de comunicação e transferência de informação na área de meio ambiente. 2000. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, Rio de Janeiro, 2000.

CONDURÚ, M.T.; PEREIRA, J.A.R. Informação estratégica para a gestão hidroenergética de sistemas de abastecimento de água. In: GOMES, H.P. (Org.). Sistema de Saneamento: eficiência energética. João Pessoa: EdUFPB, 2010. p. 111-122. Disponível em: <http://www.lenhs.ct.ufpb.br/wpcontent/uploads/arquivos/Livro_Eficiencia_Energetica.pdf>. Acesso em: 15 jan. 2011.

MORESI, E.A.D. Gestão da informação e do conhecimento. Brasília: Ed. UnB, 2001.

PEREIRA, J.A.R.; CONDURÚ, M.T. Abastecimento de água: informação para a eficiência hidroenergética. João Pessoa: UFPB, 2013. 153 p. No prelo.

ROBREDO, J. Redes de informação e de gestão do conhecimento: modelagem e estrutura de informações. In: TARAPANOFF, K.(Org.). Inteligência, informação e conhecimento. Brasília: UNESCO, IBICT, 2006. p. 303 – 335.

SILVA, A.M. A informação: da compreensão do fenómeno e construção do objecto científico. Porto: Afrontamento, 2006.

SILVA, S.L. Gestão do conhecimento: uma revisão crítica orientada pela abordagem da criação do conhecimento. Ciência da Informação, Brasília, v. 33, n. 2, p. 143-151, maio/ ago. 2004. Disponível em: <http://www.ibict.br/cionline/viewissue.php?id=6>. Acesso em: 1 nov. 2007.

VALENTIM, M.L.P. Inteligência competitiva em organizações: dado, informação e conhecimento. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 3, n. 4, artigo 2, ago. 2002. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/ago02/index.htm>. Acesso em: 15 set. 2007.

  

Vulnerabilidade de Aquíferos à Poluição (03 horas, 45 créditos)

Ementa: Estudo da vulnerabilidade à poluição dos aquíferos: conceituação da vulnerabilidade, limitações práticas, esquema de classificação e índice de vulnerabilidade. Mecanismos de contaminação de aquíferos. Defesas naturais contra os contaminantes. Quantificação dos processos de contaminação e proteção. Critérios de delimitação de zonas de proteção. Meios utilizados para estudos prévios. Métodos utilizados para o dimensionamento das zonas de proteção. Conceitos fundamentais de risco de contaminação. Noções sobre as bases estruturais para a determinação do risco. Implementação de projetos de reconhecimento.

Bibliografia:

AHMED, A. A. Using generic and pesticide DRASTIC GIS based models for vulnerability assessment of the Quaternary aquifer at Sohag. Egypt. Hydrogeol Journal, v.17, p. 1203-1217, 2009.

AL-ADAMAT, R. A. N.; FOSTER, I. D. L.; BABAN, S. M. J. Groundwater vulnerability and risk mapping for Basaltic aquifer of the Azraq basin of Jordan using GIS, remote sensing and DRASTIC. Appl Geogr v.23, p. 303-324, 2003.

AL-ZABET, T. Evaluation of aquifer vulnerability to contamination potencial using the DRASTIC method. Env Geol v. 43, p.203-208, 2002.

ARAÚJO, Paulo Pontes Vulnerabilidade dos aquíferos à poluição por nitrato em plantio de citros na Amazônia oriental – Pará, Brasil. 2011. 62f. Tese (Doutorado) - Universidade Federal Rural da Amazônia, Agroecossistemas da Amazônia, 2011. 175p

ARTUSO, E.; OLIVEIRA, M. M.; LOBO-FERREIRA, J. P. C. Assessment of groundwater Vulnerability to Pollution Using Six different Methods: AVI, GOD, DRASTIC, SI, EPPNA  and SINTACS – Application to the Évora aquifer, Lisboa, PORTUGAL,  2002. 77 p. (Relatório GIAS/DH, 184/02).

FOSTER, S.; HIRATA, R. Fundamental Concepts in Aquifer Vulnerability, Pollution Risk and Protection Strategy. In: VAN DUIJVANBOODEN, W.; VAN WAEGENINGH, H.G. (Ed). Vulnerability of soil and groundwater to pollutions. The Hague: Committee on Hydrological Research, 1987. p. 69-86.

FOSTER S. et al. Groundwater quality protection: a guide for water service companies, municipal authorities and environmental agencies. Washington: World Bank Group, 2002. 105p

FRANCES A.; PARALTA E.; FERNANDES J.; E RIBEIRO L. Development and Application in the Alentejo Region of a Method to Assess the Vulnerability of Groundwater to Diffuse Agriculture Pollution: the Susceptibility Index. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON FUTURE GROUNDWATER RESOUCES AT RISK. 3., 2001, Lisboa. Anais…. Lisboa: Centro de Georecursos do IST, 2001.

GOLDSCHEIDER, N.; KLUTE, M.; STURM, S.; HORTZL, H. The PI method: a GIS-based approach to mapping groundwater vulnerability with special consideration of karst aquifer. Z Angew Geol., v. 46, n. 3, p.157-166, 2000.

HEALEY, R. W.; COOK, P. G. Using groundwater levels to estimate recharge. Hidrogeology Journal, v.10,v.1, p. 915-109, 2002.

HIRATA, R.; BERTOLO, R. Groundwater vulnerability in different climatic zones. In: Enciclopedia of Life Support Systems. Paris, London: UNESCO/EOLSS, 2202.

HRKAL, Z. Vulnerability of groundwater to acid deposition, Jizerske Mountains northern Czech republic: construction and reliability of a GIS-based vulnerability map. Hydrogeol Journal, v. 9, p. 348-357, 2001.

JAMRAH, A.; FUTAISI, A. A.; RAJMOHAN, N.; AL-YAROUBI, S. Assessment of groundwater vulnerability in the coastal region of Oman using DRASTIC index method in GIS environment. Environment Assess. 2007.

LAKE, I. R.; LOVETT, A. A.; HISCOCK, K. M. Avaliation factors influencing groundwater vulnerability to nitrate pollution: developing the potential of GIS. J Environ Manage,  v. 68, p. 315-328, 2003.

MARGAT, J. Vulnérabilité des nappes d´eau souterraine à la poluittion [Groundwater vulnerability to contamination]. Orléans, France: HYD, BRGM,  1968. (Bases de al cartografhie,  68).

MENDOZA, J. A.; BARMEN, G. Assessment of groundwater vulnerability in the Rio Artiguas basin, Nicaragua. Env Geol., v. 50, p. 569-580, 2006.

NBR 7181. solo: análise granulométrica: método de ensaios. Associação Brasileira de Normas Técnicas. Publicação Rio de Janeiro: ABNT. 13 p, 1984.

OLIVEIRA, M. M.;  LOBO-FERREIRA, J. P. C. Análise de Sensibilidade da Aplicação de Métodos Indexados de Avaliação da Vulnerabilidade à poluição de Águas Subterrâneas. Comunicação apresentada às jornadas Luso-Espanholas sobre Águas Subterrâneas no sul da Península Ibérica, 2003. 10 p.

PANAGOPOULOS, G. P.; ANTONAKOS, A. K.; LAMBRAKIS, N. J. Optimization of the DRASTIC method for groundwater vulnerability. Hydrogeology Journal v. 14, p.894-911, 2006.

PARALTA, E. A.; FRANCÉS, A. P.; SARMENTO, P. A. Caracterização hidrogeológica e avaliação da vulnerabilidade à poluição agrícola do aquífero mio-pliocénico da região de Canhestros (Alentejo).In: CONGRESSO DA ÁGUA. 6., 2003, Lisboa. Anais... Lisboa, 2003.

PORTUGAL. Laboratório Nacional de Engenharia Civil – LNEC. Departamento de Hidráulica. Grupo de Investigação de Águas Subterrâneas. Relatório de cartografia da vulnerabilidade à poluição das águas subterrâneas do Conselho de Montemor-O-Novo utilizando o método DRASTIC. Lisboa, 2002. 53 p.

RAHMAN, A. A GIS based DRASTIC model for assessing groundwater vulnerability in shallow aquifer in Aligarh, India. Appl Geogr., v. 28,  p.32-53, 2008.

RUPERT, M. G. Calibration of the DRASTIC ground water vulnerability mapping method. Ground Water,  v. 39, n.4, p. 625-630, 2001.

SENER, E.; SENER, S.; DAVRAZ, A. Assessment of aquifer vulnerability based on GIS and DRASTIC methods: a case study of the Senirkent-Uluborlu Basin (Isparta, Turkey). Hydrogeology Journal, v. 17, n. 8, p. 2023-2035, 2009.

TRIRUMALAIVASAN, D.; KARMEGAM, M.; VENUGOPAL, K. AHP-DRASTIC: software for specific aquifer vulnerability assessment using DRASTIC model and GIS. Environ Model Softw., v. 18, p. 645-656, 2003.

VIAS, J.M.; ANDREO, B.; PERLES, M.J.; CARRASCO, F.; VADILLO, I.; JIMENEZ, P. Proposed method for groundwater vulnerability mapping in carbonate (karstic) aquifers: the COP method. Application in two pilot sites in southern Spain. Hydrogeology Journal, v. 14, p. 912-925, 2006.  

VRBA, J.; ZOPOREZEC, A. Guidebook on mapping groundwater vulnerability. Verlag Hannover, Germany: Heinz Heise, 1994.  131p. (International Contributions to Hydrogeology, 16).

WANG, Y.; MERKEL, B.; LI, Y.; YE, H.; FU, S.; IHM, D. Vulnerability of groundwater in Quaternary aquifers to organic contaminations: a case study in Wuhan City, China. Env. Geol., v. 53, p. 479-484, 2007.

 

Metodologia da Pesquisa Científica (04 horas, 60 créditos)

Ementa: A pesquisa como mecanismo de produção da inovação.Aspectos éticos da pesquisa. O planejamento do projeto de pesquisa. Tipos de pesquisa. Tipos de abordagens. Coleta de dados. Organização e interpretação dos dados. Estrutura do trabalho científico. As normas técnicas para os trabalhos acadêmicos.

Bibliografia:

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10520: informação e documentação: apresentação de citações em documentos. Rio de Janeiro, 2002.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023: informação e documentação: elaboração de referências. Rio de Janeiro, 2002.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 14724: informação e documentação: apresentação de trabalhos acadêmicos. Rio de Janeiro, 2011.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6028: informação e documentação: apresentação de resumo. Rio de Janeiro, 2003.

BERVIAN, P. A. & CERVO, A. L. 2006. Metodologia científica. São Paulo: Pearson Education do Brasil.

FEITOSA, Vera C. Redação de Textos Científicos. Campinas: Papirus Editora, 1995.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos. 4.ed.São Paulo: Atlas, 1992.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. 2003. Fundamentos de Metodologia Científica. 5ª ed. São Paulo: Atlas

MEDEIROS, J. B. Redação científica. 2ed. São Paulo: Atlas, 1996.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas. 4.ed.São Paulo: Atlas, 1990.

RODRIGUES, A. J. 2006. Metodologia Científica. São Paulo: Avercamp.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Cortez, 1996.

 

 

3. CURSOS  ESPECIAIS EM RECURSOS HIDRICOS 

 

Cursos Especiais I (02 horas, 30 créditos)

Cursos Especiais II (03 horas, 45 créditos)